O que pensamos tem efeitos sobre a nossa saúde. Com a ajuda de uma psicóloga, troque de discurso e melhore a sua vida.

7 pensamentos para aumentar a autoestima

Ter pensamentos positivos não é a solução para todos os males, mas ajuda muito. Não é que a vida dos otimistas seja sempre melhor, mas a forma positiva como encaram os desafios do dia-a-dia tem um impacto benéfico na sua saúde e autoestima. Vários estudos têm estabelecido uma relação direta entre estados mentais positivos e descida da tensão arterial, diminuição dos níveis de colesterol e saúde cardiovascular. Este conhecimento já deu, inclusivamente, origem a uma nova subespecialização médica. A psiconeuroimunologia estuda as interações entre emoções, acontecimentos e comportamentos e os sistemas nervoso, endócrino e imunitário.

70 mil pensamentos repetidos por dia

“O que pensamos tem, sem dúvida, efeito na nossa vida”, corrobora a psicóloga Daniela Esteves. A psicologia cognitiva explica como o processo ocorre: “A ideia que temos de nós inclui crenças sobre a nossa personalidade, características físicas, aptidões, valores e metas. Estas crenças são criadas e reforçadas por meio de pensamentos e pela sua repetição. Em média, produzimos cerca de 50 a 70 mil pensamentos por dia e a sua maioria são repetições de pensamentos anteriores”, revela a especialista. Problema: a cada pensamento que temos, segue-se a produção de uma emoção e os dois vão dar origem a ações ou comportamentos. Desta forma, ter pensamentos negativos com frequência vai influenciar negativamente a forma como agimos. “Caso haja um mal-estar psicológico com frequência, convém melhorar a qualidade dos pensamentos e a sua sequência lógica”, aconselha.

Positivos sim, mas realistas

Ter pensamentos positivos ajuda a aumentar a autoestima, mas é importante que eles sejam realistas. “Alguns estudos têm revelado que repetir afirmações positivas pode beneficiar pessoas que já tenham uma autoestima elevada, mas gerar conflito interno nas pessoas que mais precisam dela. Por exemplo, afirmações positivas como ‘eu aceito-me completamente’, podem provocar pensamentos contraditórios em pessoas com baixa autoestima. Nestes casos, o desajuste entre o pensamento e a realidade pode aumentar a sensação de incapacidade”, explica Daniela Esteves. Este tipo de afirmações pode ajudar, mas apenas se fizerem parte de um programa mais amplo, como a psicoterapia cognitiva, aconselha.

Troque o discurso

Se os pensamentos e a forma como usamos a linguagem condicionam as emoções e as ações, nada como começar a prestar mais atenção à forma como usa as palavras. Perante uma dificuldade no trabalho, pode fazer diferença trocar o pensamento ou discurso de “isto é muito difícil” por um “eu sou capaz”. Troque a formulação derrotista, que reforça os medos e desanima, por uma que aumenta o sentimento de esperança e reforça a convicção nas suas capacidades. Se possível, recorde alguns episódios em que conseguiu alcançar os objectivos apesar do receio. Veja aqui mais formas de resistir a situações adversas.

A psicóloga Daniela Esteves deixa uma lista de 7 pensamentos positivos – e realistas  – para começar a usar hoje mesmo:

  1. “Eu quero aprender a gostar de mim”
  2. “Eu estou disposto(a) mudar e a crescer”
  3. “Eu sou merecedor(a) do meu amor”
  4. “Seja o que for que diga a mim mesmo(a), direi com amor”
  5. “Eu encontro soluções para os meus problemas”
  6. “Eu sou bom/boa o suficiente”
  7. “Eu sou digno(a) de amor”

Tome nota

O reforço da autoestima pode ser especialmente relevante para as pessoas que sofrem de bexiga hiperativa. Sentimentos de vergonha, frustração e ansiedade acompanham com frequência quem sofre desta doença, afetando  a sua qualidade de vida. Descubra estratégias para treinar o pensamento positivo.